Estrutura da Dívida Pública Brasileira

ciclos sistêmicos de acumulação e análise histórico-estrutural

Autores

DOI:

https://doi.org/10.51696/resede.e02104

Palavras-chave:

Dívida pública, História Econômica do Brasil, Sistema-mundo, Economia-mundo, Teoria da Regulação, Método histórico-estrutural

Resumo

O presente artigo pretende apresentar uma chave de leitura da história econômica brasileira a partir de um panorama histórico da constituição da dívida pública brasileira, notadamente da dívida externa. O processo de endividamento estatal é lido a partir de uma abordagem que procura identificar aspectos estruturais historicamente situados capazes de definir historicamente o padrão de endividamento estatal brasileiro em diferentes momentos no tempo. Valendo-se de aportes de autores brasileiros que fizeram leituras da história brasileira em momento anterior a partir de uma chave de análise análoga, buscar-se-á compreender como o pensamento desses autores poderia ajudar na compreensão da mudança estrutural mais recente da dinâmica de endividamento público do Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gustavo Jorge Silva, Universidade de São Paulo

Doutorando e Mestre em Direito Econômico e Financeiro pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Pós-graduado em Administração Pública no Século XXI pela Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Advogado.

Referências

ALMEIDA, Paulo Roberto. O Brasil e o FMI desde Bretton Woods: 70 anos de história. Revista Direito GV, São Paulo, v. 10, n. 2, 2014, p. 469-496.

ARRIGHI, Giovanni. O longo século XX. Rio de Janeiro: Contraponto. 2016.

BELLUZZO, Luiz Gonzaga. Finança global e ciclos de expansão. In. FIORI, José Luís da Costa (Org.). Estados e moedas no desenvolvimento das nações. 4. ed. Petrópolis: Editora Vozes. 2012. p. 87-117.

BLACKBURN, Robin. Por que segunda escravidão? In: MARQUESE, Rafael; SALLES, Ricardo (Orgs.). Escravidão e Capitalismo Histórico no século XIX: Cuba, Brasil, Estados Unidos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 2016. p. 13-54.

BOYER, Robert. Teoria da Regulação: os fundamentos. São Paulo: Estação Liberdade. 2009.

BOYER, Robert; SAILLARD, Yves. A summary of régulation theory. In. BOYER, Robert; SAILLARD, Yves (Orgs.). Régulation Theory: the state of the art. Londres: Routledge. 2002. p. 36-44.

BRAUDEL, Fernand. A dinâmica do capitalismo. Rio de Janeiro: Rocco. 1987.

BRAUDEL, Fernand. Civilização Material, Economia e Capitalismo: Séculos XV-XVIII. v. 3: O tempo do mundo. São Paulo: Martins Fontes. 2009.

BRAUDEL, Fernand. Civilização Material, Economia e Capitalismo: Séculos XV-XVIII. v. 2: Os jogos das trocas. São Paulo: Martins Fontes. 1998.

CAMARA, Mamadou; SALAMA, Pierre. A inserção diferenciada – com efeitos paradoxais – dos países em desenvolvimento na mundialização financeira. In. CHESNAIS, François (org.). A Finança Mundializada. São Paulo: Boitempo. 2005. p. 199-221.

CLAVIN, Patricia; WESSELS, Jens-Wilhelm. Another Golden Idol? The League of Nations’ Gold Delegation and the Great Depression, 1929-1932. The International History Review, Abingdon-on-Thames, v. 26, n. 4, 2004, p. 765-795.

CORRÊA, Fábio Rogério Cassimiro. Os Bancos de Custeio Rural e o crédito agrícola em São Paulo (1906-1914). 2014. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo. São Paulo. 2014.

DE CHIARA, José Tadeu. Moeda e ordem jurídica. 1986. Tese de Doutorado. Faculdade de Direito. Universidade de São Paulo. São Paulo. 1987.

EICHENGREEN, Barry. A globalização do capital. São Paulo: Editora 34. 2012.

FERNANDES, Florestan. A Revolução Burguesa no Brasil. 5. ed. São Paulo: Globo. 2006.

FILGUEIRAS, Luiz. A história do Plano Real. São Paulo: Boitempo. 2000.

FONSECA, Pedro Cezar Dutra. A Controvérsia entre Metalismo e Papelismo e a Gênese do Desenvolvimentismo no Brasil, Anais do XXXVI Encontro Nacional da ANPEC, Salvador, 2008.

FRANCO, Gustavo Henrique de Barroso. A primeira década republicana. In. ABREU, Marcelo de Paiva (org.). A ordem do progresso. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier. 2014. p. 29-44.

FURTADO, Celso. Brasil: A Construção Interrompida. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra. 1992.

FURTADO, Celso. Desenvolvimento e subdesenvolvimento. In. BIELSCHOWSKY, Ricardo (Org.). Cinquenta anos de pensamento na CEPAL. v. 1. Rio de Janeiro: Record. 2000. p. 239-262.

JALORETTO, Cláudio. Banco Central do Brasil: evolução histórica e questões atuais. In. BACHA, Edmar (org.). A crise fiscal e monetária brasileira. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização brasileira. 2017. p. 67-85.

KAPLAN, Stephen B.; THOMSSON, Kaj. The Political Economy of Sovereign Debt: Global Finance and Electoral Cycles, The Journal of Politics, Chicago, v. 79, n. 2, 2017, p. 605-623.

MAIA, José Nelson Bessa; SOMBRA SARAIVA, José Flávio. A paradiplomacia financeira no Brasil da República Velha, 1890–1930. Revista Brasileira Política Internacional, Brasília, v. 55, n. 1, p. 106-134, 2012.

MALAN, Pedro Sampaio; BONELLI, Regis; ABREU, Marcelo de Paiva; PEREIRA, José Eduardo de Carvalho. Política econômica externa e industrialização no Brasil (1939/52). Relatório de Pesquisa nº 36. Rio de Janeiro: IPEA/INPES. 1977.

MANNHEIM, Karl. Das Problem der Generationen. Kölner Vierteljahrshefte für Soziologie, Colônia, v. 7, 1928, p. 157-185 e 309-330.

MODENESI, André de Melo. Regimes monetários: teoria e a experiência do Real. Barueri: Manole. 2005.

MOSLEY, Layna. Global Capital and national governments. Nova Iorque: Cambridge University Press. 2003.

OLIVEIRA, Luís Maurício Sodré de. Mercado de câmbio: contribuição ao disciplinamento jurídico no Brasil. Curitiba: Juruá. 2009.

PEDRAS, Guilherme Binato Villela. História da dívida pública no Brasil: de 1964 até os dias atuais. In. SILVA, Anderson Caputo; CARVALHO, Lena Oliveira de; MEDEIROS, Otavio Ladeira de (orgs.). Dívida pública: a experiência brasileira. Brasília: STN. 2009. p. 57-80.

PINDER, Wilhelm. Das Problem der Generation in der Kunstgeschichte Europas. Berlin: Frankfurter Verlaganstalt. 1926.

PINHO NETO, Demosthenes Madureira de. O interregno Café Filho, 1954-1955. In. ABREU, Marcelo de Paiva (org.). A ordem do progresso. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier. 2014. p. 143-156.

POLANYI, Karl. A grande transformação: as origens políticas e econômicas do nosso tempo. 2ª ed. Rio de Janeiro: Campus. 2012.

POLANYI, Karl. The Economy as Instituted Process. In. POLANYI, Karl; ARENSBERG, Conrad Maynadier; PEARSON, Harry W (Eds.). Trade and Market in the Early Empires. Chicago: Regnery. 1957. p. 243-270.

PRADO JÚNIOR, Caio. Formação do Brasil Contemporâneo: Colônia. 6. ed. São Paulo: Brasiliense. 1961.

PRADO JÚNIOR, Caio. História Econômica do Brasil. 31. ed. São Paulo: Brasiliense. 1985.

PRÉBISCH, Raul. O desenvolvimento econômico da América Latina e alguns de seus problemas principais. In. BIELSCHOWSKY, Ricardo (Org.). Cinquenta anos de pensamento na CEPAL. v. 1. Rio de Janeiro: Record. 2000. p. 70-136.

RANGEL, Ignácio. Dualidade básica da economia brasileira. 2. ed. São Paulo: Bienal. 1999.

RANGEL, Ignácio. Economia: Milagre e anti-milagre. Rio de Janeiro: Zahar. 1985.

RANGEL, Ignácio. Introdução ao Desenvolvimento Econômico Brasileiro (1955). In. BENJAMIN, César (org.). Obras Reunidas. v. 1. Rio de Janeiro: Contraponto. 2005a. p. 129-201.

RANGEL, Ignácio. Revisitando a “questão nacional”. In. BENJAMIN, César (org.). Obras Reunidas. v. 2. Rio de Janeiro: Contraponto. 2005b. p. 115-124.

SAYAD, João. Dinheiro, Dinheiro. São Paulo: Portfolio/Penguin. 2015.

SILVA, Anderson Caputo. Origem e história da dívida pública no Brasil até 1963. In. SILVA, Anderson Caputo; CARVALHO, Lena Oliveira de; MEDEIROS, Otavio Ladeira de (orgs.). Dívida pública: a experiência brasileira. Brasília: STN. 2009. p. 33-56.

SILVEIRA, Thais Hae Ok Brandini Park. O Plano Real e o balanço de pagamentos do Brasil. 2015. Tese de Doutorado. Faculdade de Direito. Universidade de São Paulo. São Paulo. 2015.

STREECK, Wolfgang. Tempo comprado: a crise adiada do capitalismo democrático. São Paulo: Boitempo. 2018.

TOMICH, Dale. Pelo Prisma da Escravidão: Trabalho, Capital e Economia Mundial. São Paulo: Edusp. 2011.

VEIGA FILHO, João Pedro da. Reformas e projectos monetarios no Brazil. Revista da Faculdade de Direito de São Paulo, São Paulo, v. 13, 1905, p. 135-153.

WALLERSTEIN, Immanuel. O sistema mundial moderno. v. 1: a agricultura capitalista e as origens da economia-mundo europeia no século XVI. Porto: Afrontamentos. 1974.

WALLERSTEIN, Immanuel. The Capitalist World-Economy. Cambridge: Cambridge University Press. 1983.

Downloads

Publicado

26.03.2023

Como Citar

SILVA, G. J. Estrutura da Dívida Pública Brasileira: ciclos sistêmicos de acumulação e análise histórico-estrutural. Revista Semestral de Direito Econômico, Porto Alegre, v. 2, n. 1, p. e2104, 2023. DOI: 10.51696/resede.e02104. Disponível em: http://www.resede.com.br/index.php/revista/article/view/78. Acesso em: 29 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos